Home / POLICIAL / ‘Eu teria entregado’, diz mulher de suspeito de matar casal na Paraíba

‘Eu teria entregado’, diz mulher de suspeito de matar casal na Paraíba

Enfermeira falou publicamente sobre o caso pela primeira vez. Casal foi morto

no dia do casamento dela com o suspeito.

Do G1 PB

“Se eu soubesse da verdade, eu mesma teria entregado meu marido à polícia”, disse a enfermeira Fabiana Queiroz, em entrevista exclusiva à TV Paraíba. Fabiana é esposa de Nelsivan Marques, preso suspeito de ser o mandante do assassinato do casal Washington Luiz e Lúcia Santana no dia do seu casamento com a enfermeira, em Campina Grande. Quatro meses após o crime, ela resolveu falar publicamente pela primeira vez. Em sua página em uma rede social, ela pediu desculpas aos convidados. Fabiana também concedeu entrevista à TV Paraíba

De acordo com a polícia, Washington Luiz, de 51 anos, e sua mulher, Lúcia Santana, de 42 anos, foram abordados pelo assassino por volta das 21h30 do dia 29 de março de 2014, quando saíam da festa de casamento de Fabiana com Nelsivan. No dia 17 de junho, seis pessoas foram presas pela Polícia Civil na operação Iscariotes, entre elas o marido da enfermeira, que era sócio das vítimas. De acordo com a delegada de homicídios Tatiana Matos, o crime estava relacionado com uma cláusula no contrato de sociedade do suspeito com as vítimas que estabelecia que no caso de um sócio morrer, o outro herdaria todo o negócio.

Segundo Fabiana, ela decidiu falar publicamente pois acredita que a sociedade merecia uma resposta da parte dela. “Foi uma coisa que mexeu muito comigo, com minha história de vida. Eu fiquei em silêncio este tempo todo me preservando, porque além do casal, a maior vítima fui eu”, disse a enfermeira.

Na entrevista, Fabiana explica que não sabia do envolvimento de Nelsivan com o homicídio. “Ele se mostrava ser inocente até a polícia descobrir. Eu acreditava na inocência dele até ver as provas apresentadas pela delegada. É muito difícil a ficha cair, foi um choque muito grande. Imagine que o mundo desabou sobre minha cabeça”, disse a enfermeira. Ela contou também que no dia da prisão sentiu-se aliviada. “É muito difícil saber da verdade, porém eu agradeci a Deus pois eu era uma das pessoas que mais pedia justiça. Na hora da prisão, eu vi o mundo desabar, mas também vi justiça”.

Casal morto depois de festa de casamento em Campina Grande (Foto: Reprodução / TV Paraíba)
Casal morto depois de festa de casamento em Campina Grande (Foto: Reprodução / TV Paraíba)

Anulação do casamento
A enfermeira explicou na entrevista que pediu a anulação do casamento. “Pedi, mas não é possível ser feito porque ele não assumiu o crime. Se ele tivesse assumido, tirava cópia do processo e automaticamente era anulado, era melhor anular. Eu queria esta anulação”, comentou.

Conforme o advogado Denyson Fabião, especialista em direito de família, a anulação poderia ser pedida sob a alegação de que foi perdida a relação de confiança e isto estaria prejudicando a saúde e a integridade física dela e de seus familiares, mas dependeria de um processo judicial. “Por não haver mais esta relação de confiança, o casamento pode ser anulado”, comentou.

Relação entre o suspeito e as vítimas
Fabiana também contou que se sentiu chocada com o crime, uma vez que a relação entre Nelsivan e as vítimas era quase familar. “É tão impressionante porque era como uma família. Era a família que ele tinha aqui em Campina Grande. Você conviver com uma pessoa todos os dias e planejar uma coisa dessas para o dia do seu casamento. Pra mim ele é um psicopata, um doente”, concluiu.

Veja Também

Homem é preso ao levar ‘namorada’ de 12 anos para dar à luz em hospital

A polícia de Oklahoma, nos Estados Unidos, disse que Juan Miranda-Jara, 24, chegou dizendo ser ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.