Home / PARAÍBA / Monitora flagrada ao agredir crianças em creche é presa em Porto Ferreira

Monitora flagrada ao agredir crianças em creche é presa em Porto Ferreira

Monitora flagrada ao agredir crianças em creche é presa em Porto Ferreira

A monitora flagrada ao agredir várias crianças de 1 a 2 anos em uma creche de Porto Ferreira (SP) foi presa nesta quarta-feira (10) após seis dias foragida. Acompanhada do advogado, a mulher de 46 anos se apresentou à Polícia Civil durante a manhã e, segundo o delegado Miguel Capobianco, estava bastante abalada.

A suspeita, que é pedagoga e trabalhava na Prefeitura há três anos, não foi interrogada formalmente. Capobianco pretende ouvi-la somente depois que conversar com outras testemunhas, bem como a diretora e a supervisora da Creche Municipal Ferdinando Mechioretto, que foram exoneradas do cargo após novas denúncias.

Segundo o delegado, a monitora não disse onde estava escondida. “Acredito que, provavelmente, estava na casa de algum parente. Ela só se entregou porque a busca policial foi implacável. Com as informações que recebemos, procuramos em todos os locais que ela pudesse estar”, contou Capobianco.
A mulher fez exames de corpo de delito no pronto-socorro da cidade, foi apresentada à Justiça e depois encaminhada para a cadeia feminina de Ribeirão Bonito, onde ficará por 30 dias, enquanto a polícia dá sequência às investigações. Ao menos sete pais de crianças que sofreram algum tipo de violência na creche já foram ouvidos.

Crimes

Segundo o delegado, a monitora pode ser enquadrada nos crimes de maus-tratos, com pena de até 1 ano, e tortura, de 2 a 8 anos. Por ser agente pública, a condenação pode aumentar. Procurado pelo G1, o advogado da mulher não foi encontrado para comentar o caso.

A outra funcionária que acompanhava as agressões feitas pela colega e que não reagiu também é investigada e pode responder como coautora, segundo Capobianco. A servidora de 57 anos se apresentou à polícia na sexta-feira (5). Segundo a advogada dela, Renata Giocondo, a mulher confirmou que não reagiu às duas agressões praticadas pela colega porque ficou ‘sem ação diante da violência praticada contra as crianças’.

De acordo com a advogada, a servidora disse ter pedido para que a monitora parasse com a agressão, mas que isso não teria adiantado. Após a segunda criança ter sido atacada ela se retirou da sala. Ainda segundo a advogada, as duas mulheres estavam sozinhas na creche no momento em que o vídeo foi gravado.

Denúncias
Após novas denúncias, a Prefeitura exonerou nesta sexta-feira (5), a diretora e a supervisora da creche, que já teriam sido avisadas sobre a situação. Além da denúncia de maus-tratos, a Prefeitura explicou que a exoneração serve para preservar a integridade das duas, que perdem os cargos comissionados e voltam a exercer a função de professoras em outras unidades da Secretaria de Educação.

Duas funcionárias, que não quiseram se identificar, denunciaram a direção da creche e afirmaram que a monitora era agressiva. “Eu sabia que ela batia. Várias vezes eu ouvi choro, mas nunca pude abrir a porta e ir lá fazer alguma coisa. Eu a vi batendo em uma criança, só não tomei atitude por medo de represália e perseguição. Cheguei a falar com a diretora, procurei a supervisora, mas nada foi feito. Relatamos que ouvíamos as crianças chorando, que a monitora agredia, não fazia o serviço direito, não dava comida, não trocava a fralda, não fazia nada. Porque a sala tem um vidro e quem estava lá fora via”, disse uma delas.

A outra funcionária que trabalha na unidade contou que era normal ouvir choro de crianças na sala da monitora afastada. “Nunca questionei porque ela tem uma personalidade forte e é muito malcriada. As crianças que ela cuidava tinham medo, estavam sempre de cabeça baixa, tristes, um comportamento bem esquisito”, afirmou.

Entenda o caso
A funcionária foi flagrada ao agredir crianças. As imagens foram gravadas pelo pai de um dos alunos na terça-feira (2) com uma câmera escondida na mochila do filho. O homem desconfiou da atitude da monitora e das reações da criança e decidiu colocar a câmera.

Contratada em 2011, a agressora de 46 anos foi afastada pela Prefeitura e está foragida após a Justiça decretar a prisão temporária de 30 dias. Ela trabalhava como monitora na mesma creche desde o início de sua contratação. Antes da admissão, ela passou por uma avaliação psicológica, mas o laudo não apontou nenhum problema. A mulher, que é pedagoga, foi afastada e está foragida.

A administração municipal informou que não tinha conhecimento de maus-tratos praticados na creche ou pela monitora.

Fonte: G1/ Bayeux jovem

Veja Também

Sine-PB oferta 577 vagas de empregos em sete municípios nesta segunda

O Sistema Nacional de Emprego (Sine-PB) está ofertando 577 vagas de emprego em sete municípios ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.