Home / POLICIAL / Vídeo registra maus tratos a um cachorro no Sertão da Paraíba; PC investiga o caso

Vídeo registra maus tratos a um cachorro no Sertão da Paraíba; PC investiga o caso

Imagens e o áudio gravados pelo celular, que duraram pouco mais de minuto, mostram

quando um homem fica incentivando um colega na hora dos maus tratos

Homem suspeito de maus tratos
Homem suspeito de maus tratos

Um vídeo que mostra a ação de um homem maltratando um cachorro está causando polêmica na internet. O suspeito utiliza uma ave para assustar o animal, que fica desesperado. A Polícia Civil apura o crime que, segundo a polícia, teria ocorrido em uma fazenda na zona rural da cidade de Cajazeirinhas, no Sertão do estado a 368 km de João Pessoa.

As imagens e o áudio gravados pelo celular, que duraram pouco mais de um minuto, mostram quando um homem fica incentivando um colega na hora dos maus tratos. Com uma galinha em uma das mãos, o suspeito joga a ave em cima do cachorro, que está amarrado, e isso causa pânico no animal.

Em um trecho da cena aparece o homem espancando a cara do cachorro. O delegado titular da cidade de Pombal, Haroldo Queiroga, que responde por Cajazeirinhas, disse que instaurou um inquérito policial que vai apurar o crime. “Estamos analisando as imagens e os agentes estão em diligências para localizar os envolvidos no crime de maus tratos a animais. O caso teria ocorrido em Cajazeirinhas, conforme nos informaram. O crime é de contravenção penal. A pessoa vai ser indiciada, mas responde em liberdade”, falou.

De acordo com a Lei Federal 9.605/98 – dos Crimes Ambientais, quem for pego praticando ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, pode ser condenado a uma pena de detenção, de três meses a um ano, e multa.

Confira vídeo:

 

Veja Também

DINHEIRO DO POVO: PF investiga irregularidades no uso de recursos do Fundeb em São Paulo

A Operação Apate cumpre mandados em São José dos Campos A Polícia Federal deflagrou nesta ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.