Home / ESPORTE / Real Madrid busca o título no Japão para seguir como o “dono do mundo”

Real Madrid busca o título no Japão para seguir como o “dono do mundo”

Clube mais rico do planeta usa Mundial de Clubes para alavancar suas receitas
no continente asiático e em solo japonês, onde enfrenta o Kashima Antlers na final

Crsistiano Ronaldo e Marcelo (Foto: EFE)
Crsistiano Ronaldo comemora com Marcelo (Foto: EFE)

Os fãs e torcedores de todas as partes do planeta estarão ligados neste domingo na decisão do Mundial de Clubes da Fifa, em Yokohama, no Japão. Em campo, o Real Madrid enfrenta o Kashima Antlers a partir de 8h30 (de Brasília), com transmissão ao vivo pela TV Globo, pelo SporTV e pelo GloboEsporte.com. O site também acompanha em tempo real. Ser campeão do mundo é privilégio para poucos, mas o time espanhol ainda tem mais objetivos que vão além das quatro linhas. Os comandados de Zidane querem provar que são, literalmente, os donos do mundo do futebol. Se vencer, será a primeira conquista dos galácticos no torneio em solo japonês, desde que o atual formato passou a ser adotado pela entidade em 2005. Em 2015, os espanhóis conquistaram o título no Marrocos.

Se dentro de campo a chance é de encerrar 2016 de forma brilhante, com três títulos importantes (Champions League, Supercopa da Uefa e Mundial de Clubes), fora dos gramados é outra chance de alavancar ainda mais receitas no mercado asiático de olho nos fanáticos torcedores/consumidores que os times europeus têm no continente. Vale lembrar que o Real Madrid é o clube mais rico do mundo, com receitas anuais de € 577 milhões (R$ 2,04 bilhões), de acordo com o estudo da consultoria Football Money League publicado em 2016.

A chegada ao Japão foi de cinema, com milhares de torcedores no aeroporto em Tóquio e centenas de fãs na porta do Royal Park Hotel, em Yokohama. A delegação veio completa, com todo os jogadores disponíveis, staff técnico e dirigentes. O presidente Florentino Pérez também marca presença. Durante a semana passada, ele chegou a visitar os jogadores no hotel. Há todo um relacionamento com patrocinadores, que puderam acompanhar algumas atividades do time espanhol.

O mercado asiático é visto com muito carinho pelos gigantes europeus, com o Real Madrid não é diferente. É comum alguns clubes optarem por amistosos e pré-temporada na Ásia, principalmente na China. Campeão do mundo em Yokohama em 2015, o Barcelona fechou recentemente com uma empresa japonesa, que pagará € 55 milhões (R$ 177 milhões) por temporada até junho de 2021. Para o ex-diretor de marketing do Barcelona e fundador da consultoria Prime Time Sport, Esteve Calzada, o Mundial de Clubes no Japão é um prato cheio para os galácticos alavancarem ainda mais suas receitas e número de fãs.

– O mercado asiático é, com certeza, muito importante. Muitos patrocinadores do Real Madrid e de clubes da Premier League vêm de lá, graças a globalização, a distribuição dos direitos de televisão e etc… Sim, com certeza estão explorando bem, através de merchandising, de patrocínios. Todas estas equipes têm escritórios na Ásia. O Barça tem em Hong Kong, o Chelsea tem em Cingapura, o Manchester City também. São muito agressivos neste sentido – afirmou Esteve Calzada em entrevista ao GloboEsporte.com.

Danilo Marcelo Real Madrid Mundial de Clubes (Foto: Efe)Danilo e Marcelo no desembarque do Real Madrid para o Mundial de Clubes da Fifa, no Japão (Foto: Efe)

Esteve Calzada ainda rechaçou a ideia de que os clubes europeus não gostam de disputar o Mundial de Clubes da Fifa. Ele afirma que o problema é o calendário apertado, pois a competição sempre é disputada no meio da temporada do Velho Continente, com grandes viagens, o que acaba aumentando o desgaste das equipes.

Apesar do grande número de seguidores no Japão, e pela febre que se tornou os nomes Real Madrid e Cristiano Ronaldo durante a passagem do time pelo país, Esteve Calzada alerta que o mercado japonês para os gigantes europeus ainda tem muito espaço para se desenvolver:

Fundação Real Madrid treino (Foto: Rodrigo Cerqueira)
Fundação Real Madrid treino (Foto: Rodrigo Cerqueira)

– O mercado japonês sempre foi um mercado complexo para se explorar por parte dos clubes europeus. Por vários motivos. Primeiro, porque o patrocínio está ligado a jogadores com perfil global, como foi o United com Beckham, o Real Madrid com Ronaldo, ou o Barça com Messi. Ou ter em seu elenco um jogador japonês. É uma complicação porque há poucos patrocínios nacionais específicos do Japão. Depois, também, na questão de amistosos, no qual os times europeus jogam pouco no país, é porque a J-League adota uma posição protecionista. E justo quando os europeus podem jogar no Japão, está em plena competição da J-League. E a Federação não dá permissão para tal.

Para se ter uma ideia do tamanho da importância dos acordos comerciais que podem ser alavancados com a passagem pela Ásia, a maior receita do Real Madrid é proveniente da área comercial, na qual o clube arrecadou em 2015/16 € 247,3 milhões (R$ 876 milhões). Em seguida vêm os direitos de televisão, que deixam o cofre com mais € 199, 9 milhões (R$ 708 milhões). E a terceira maior fonte de receitas acontece nos dias de jogos. Com ingressos e tudo o que o fã gasta para ver Cristiano Ronaldo & Cia, o Real arrecada € 129,8 milhões (R$ 460 milhões).

Se fora de campo há toda uma preocupação com receitas, crescimento e desenvolvimento econômico, dentro de campo a equipe parece ter entendido o recado de que não veio ao Japão para passear e fazer turismo. Jogadores e o técnico Zidane tratam o Mundial de Clubes com muito respeito e afirmam que chegaram até a final para vencer. Zizou também aproveita para pedir respeito ao Kashima, adversário deste domingo.

Real Madrid x Kashima Antlers
Local: Estádio Internacional de Yokohama, em Yokohama (JAP).
Data e horário: 18/12/2016, às 8h30 (horário de Brasília).
Real Madrid: Navas, Carvajal, Varane, Sergio Ramos e Marcelo; Casemiro, Modric e Kroos; Lucas Vázquez, Cristiano Ronaldo e Benzema
Kashima Antlers: Sogahata, Shoji, Shoma, Shibasaki e Nakamura; Shuto, Akasaki, Daigo e Ueda; Endo e Ogasawara
Arbitragem: Janny Sikazwe (ZAM), auxiliado por Marwa Range (QUE) e Jerson dos Santos (ARG).
Transmissão: SporTV e GloboEsporte.com, que acompanhará o jogo ao vivo e em Tempo Real.

Veja Também

Vestappen comemora após vencer o GP da Arábia Saudita: ‘É bom ter a primeira vitória na temporada’

Max Verstappen venceu sua primeira corrida na temporada, com a autoridade de quem defende o ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

%d blogueiros gostam disto: