Home / CIDADES / CRM constata superlotação, infraestrutura precária e infestação de baratas no Trauminha de JP

CRM constata superlotação, infraestrutura precária e infestação de baratas no Trauminha de JP

O hospital realiza cerca de 600 cirurgias por mês, 200 atendimentos ambulatoriais e 100 atendimento de urgência e emergência.

O CRM deve decidir se pede a interdição do hospital ou de algum setor específico, como o bloco cirúrgido com buraco no teto. (Foto: Divulgação/Whatsapp)

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) fiscalizou o Complexo Hospitalar de Mangabeira Tarcísio Buritiy, conhecido como Trauminha, na manhã desta terça-feira (12) e constatou diversas irregularidades.

O hospital apresenta problemas em sua estrutura, com infiltrações nas paredes, buracos no teto e nas paredes, inclusive no centro cirúrgico, além de infestação de baratas na enfermaria, superlotação de pacientes e demora na realização de cirurgias.

Pacientes e acompanhantes denunciaram à equipe do CRM-PB que, durante o período de internação, precisam levar lençóis, travesseiros, colchões e ventiladores para o hospital.

“Sabemos da importância do hospital para a população de João Pessoa, por isso não podemos interditar toda a unidade. Mas encontramos muitas irregularidades que precisam ser resolvidas urgentemente. Em uma das salas do bloco cirúrgico, por exemplo, há um buraco no teto, em cima da mesa de cirurgia. Isso é um absurdo. Há um risco imenso de contaminação. Nas outras salas de cirurgia há buracos nas paredes, ar condicionado sem funcionar e chão todo deteriorado”, elencou o diretor de Fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa.

Ele ainda acrescentou que há superlotação nas enfermarias, pacientes pelos corredores, além da presença constante de baratas, problema relatado e demostrado por meio de fotografias feitas pelos pacientes e acompanhantes.

O hospital realiza cerca de 600 cirurgias por mês, 200 atendimentos ambulatoriais e 100 atendimento de urgência e emergência. São mais de 200 médicos de diversas especialidades trabalhando no complexo hospitalar.

Participaram da fiscalização, além do CRM, o Conselho Regional de Enfermagem da Paraíba (Coren-PB) e o Conselho Regional de Fisioterapia da Paraíba. O Ministério Público e a Vigilância Sanitária também foram convidados a participar da inspeção, mas não puderam comparecer.

O CRM-PB vai utilizar as informações coletadas durante a fiscalização para produzir um relatório que será entregue à direção do hospital, à Secretaria Municipal de Saúde e ao Ministério Público. O CRM vai interditar um dos dois blocos cirúrgicos da unidade.

Paraíba em Minuto com ClickPB

Acompanhe mais notícias do Paraíba em Minuto nas redes sociais: Facebook e Instagram

Entre em contato com a redação do Paraíba em Minuto:

Telefone: (83) 98704-3401

WhatsApp: (83) 98704-3401

E-mail: redacaosantaritaverdade@gmail.com

Veja Também

Prefeito Emerson Panta privatiza água, tira CAGEPA e deixa População sem água na torneira

Cagepa diz que foi obrigada judicialmente a repassar serviços para a Prefeitura de Santa Rita ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

%d blogueiros gostam disto: