Home / POLITICA / PESQUISA PRESIDENCIAL: Bolsonaro é líder; Doria decepciona e empata com Alckmin, diz DataPoder360

PESQUISA PRESIDENCIAL: Bolsonaro é líder; Doria decepciona e empata com Alckmin, diz DataPoder360

Pesquisa DataPoder360 revela que Jair Bolsonaro (PSL) segue na liderança isolada na corrida pela Presidência da República. Nos 3 cenários testados, o capitão do Exército na Reserva pontua de 21% a 25%, conforme a combinação de nomes apresentados. O militar nunca esteve tão bem.

 

Pela primeira vez neste ano de 2018 o nome do ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) foi testado como candidato a presidente (no momento, ele postula o governo paulista). Doria decepcionou: teve apenas 6%. Isso o coloca em situação de empate técnico com o nome oficial da pré-candidatura tucana ao Planalto, Geraldo Alckmin, que pontua 6% ou 7%, a depender do cenário.

 

Esse desempenho de João Doria esfria a hipótese ainda desejada por parte do PSDB de trocar o candidato a presidente. Uma ala tucana achava que Doria poderia ser mais competitivo do que Alckmin, por evocar mudanças e renovação. Não é o que os números mostram.

O levantamento DataPoder360 é o maior já realizado pela divisão de pesquisasdo portal Poder360. Desta vez, foram 10.500 entrevistas por meio de telefones fixos e celulares. Foram atingidas 349 cidades em todas as regiões do país, de 25 a 31 de maio.

 

A abrangência das 10.500 entrevistas permitiu uma radiografia precisa da corrida presidencial neste momento, com possibilidades de cruzamentos relevantes considerando faixa etária, gênero, renda e nível de escolaridade. A margem de erro para o total da amostra é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos. O registro do estudo no TSE é BR-09186/2018.

 

O DataPoder360 testou 3 cenários. Em 2 deles foram incluídos apenas os pré-candidatos mais competitivos –os que já pontuam acima de 5% em todos os levantamentos. A 3ª combinação de nomes é mais longa e considera também os pré-candidatos que estão na lanterna dessa disputa.

 

Como muitos eleitores ainda estão desinteressados, o objetivo de apresentar cenários mais curtos é provocar o mínimo de dispersão no momento em que o entrevistado é consultado sobre as opções de nomes para presidente da República.

 

No caso do PT, o DataPoder360 optou por testar o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. Não foi apresentado o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, neste momento condenado em 2ª Instância e cumprindo pena da Lava Jato em Curitiba (PR).

 

Chama a atenção o número de pessoas que dizem escolher votar em branco, nulo ou que ainda não sabem em quem votar. O percentual somado dessas categorias de “não voto” vai de 36% a 40%. São percentuais consistentes com o resultado da eleição no Tocantins para governador no último domingo (3.jun.2018), que teve 43,5% de brancos, nulos e abstenções.

 

Neste levantamento do DataPoder360 foram apresentados primeiro os 2 cenários mais curtos. Em seguida, o mais longo.

 

DESTAQUES DA PESQUISA

A seguir neste post serão apresentados alguns pontos relevantes encontrados neste estudo do DataPoder360, o mais completo realizado até agora sobre a disputa presidencial de 2018.

 

É necessário levar em conta que a pesquisa foi realizada durante o auge do movimento de protestos de caminhoneiros e de empresas de transporte. O estudo já estava programado e não houve intenção de promover tal coincidência. Possivelmente o humor dos entrevistados pode ter sido afetado pela falta de abastecimento de combustíveis e de outros bens de consumo.

 

De forma resumida, a pesquisa mostrou o seguinte:

 

Jair Bolsonaro (PSL) – o representante da direita se consolida em todos os cenários. Tem sempre mais de 20% (teve de 21% a 25%). Parece ter se beneficiado do momento de irritação do eleitorado por causa dos protestos de caminhoneiros. Seu voto é consistente. Até 77% de seus eleitores dizem que não trocam mais de candidato até o dia da eleição. No 2º turno, Bolsonaro vence todos os adversários. Sua fraqueza mais saliente é o desempenho ruim entre mulheres (só tem de 13% a 14%, a depender do cenário). Com os eleitores homens, registra de 29% a 37%;
Ciro Gomes (PDT) – é o 2º colocado isolado em todos os cenários pesquisados. Confirma a tese de que o eleitorado está cada vez mais se espremendo para os extremos (esquerda e direita) do espectro político. Sua maior vantagem é ir bem no Nordeste, onde chega a pontuar 19%. Vai mal entre jovens de até 24 anos, obtendo só até 8% nesse grupo demográfico.

 

Fernando Haddad (PT) – nome neste momento mais provável para substituir Lula na corrida pelo Planalto, o petista pontua de 6% a 8%. Apesar de não ter sido apresentado como candidato, sua presença é equilibrada em quase todos os recortes da pesquisa. Não aparece tão bem entre homens (vai de 3% a 5%);
Marina Silva (Rede) – não está mais empatada com Ciro, mas é a que mais ameaça Bolsonaro num eventual 2º turno: fica com 25% contra 35% do militar. Todos os demais candidatos pontuam menos que Marina nesse tipo de simulação.

 

Geraldo Alckmin (PSDB) – parece estacionado, mas tem pelo menos uma notícia boa nesta pesquisa: o outro tucano que poderia substituí-lo, João Doria, fica na mesma posição. Numericamente, até pior, pois Doria só vai a 6% e Alckmin chega a 7%. O maior problema do tucano é não decolar em seu território, o Sudeste. Nessa região, perde feio para Bolsonaro. No Sul, é derrotado tanto pelo militar como por 1 ex-tucano, o senador Alvaro Dias (Podemos). Para completar, Alckmin não agrada às mulheres: tem só 4% nesse segmento.

João Doria (PSDB) – a pesquisa tem o efeito de reduzir a pressão sobre o ex-prefeito para tentar concorrer ao Planalto. Ele pontua sempre 1 pouco abaixo de Alckmin (mas em situação de empate técnico) em quase todos os segmentos. Não é 1 desempenho vistoso o suficiente para tirá-lo da disputa pelo governo de São Paulo;
Alvaro Dias (Podemos) – o senador pelo Paraná já foi do PSDB. Disputa os votos agora no mesmo ecossistema no qual se alimentam os tucanos. No Sul, registra de 18% a 22%, a depender do cenário. Praticamente inexiste no Nordeste (1% a 3%). Uma aliança entre Alvaro e Alckmin parece improvável, mas certamente faria com que os 2 juntos se tornassem mais competitivos.

Candidatos nanicos – há pouco a dizer sobre Manuela D’Ávila (PC do B), Fernando Collor (PTC), Flávio Rocha (PRB), Henrique Meirelles (MDB) e Rodrigo Maia (DEM). Somados, eles têm 6%. Já Guilherme Afif (PSD), Guilherme Boulos (Psol), João Amoêdo (Novo) e Paulo Rabello (PSC) registram, juntos, só 0,8% das intenções de voto. É altamente improvável que 1 desses nomes se viabilize para ir ao 2º turno.

CRUZAMENTOS DE DADOS

A seguir, alguns dos cruzamentos de dados mais relevantes da pesquisa DataPoder360, considerando-se o cenário 3, que tem o maior número de candidatos.

 

É importante notar que a margem de erro de 1,8 ponto percentual vale apenas para a base total da pesquisa. Mas como foram entrevistadas 10.500 pessoas, cerca de 2.100 em cada uma das 5 regiões do país, os dados a seguir expressam com precisão o sentimento do eleitor neste momento.

 

CERTEZA DO VOTO

 

Depois de perguntar em quem os eleitores votariam se a eleição fosse hoje, o DataPoder360 indagou sobre a certeza da decisão dos entrevistados.

 

Para 49%, o voto presidencial já está decidido. Esse grupo responde que votará com certeza em outubro da forma que expressou sua opinião agora.

 

A outra metade do eleitorado se divide em 25% que dizem ainda poder mudar de opinião e 26% que ainda não escolheram candidato ou não quiseram responder.

 

No cenário 3 (o mais longo, com mais candidatos), nota-se que o voto mais consolidado no momento é o de Jair Bolsonaro: 77% dos bolsonaristas dizem que não mudarão mais de opinião até a eleição.

 

O voto menos consolidado, paradoxalmente, é o de Marina Silva: apenas 41% de seus eleitores dizem que não mudarão mais de opinião até outubro. Trata-se de algo curioso, pois a pré-candidata da Rede pontua bem nas simulações de 1º turno e é quem mais ameaça Bolsonaro num eventual 2º turno.

 

Para o cientista político Rodolfo Costa Pinto, que coordena as pesquisas do DataPoder360, “tanto Marina Silva quanto Bolsonaro incorporam em certa medida na visão do eleitorado brasileiro a ideia do outsider, uma espécie de voto de protesto contra tudo o que está aí”.

 

Ainda segundo Costa Pinto, os 2 candidatos “representam 2 lados da mesma moeda. Marina é a materialização do espírito do politicamente correto. Já Bolsonaro é conhecido por não se importar com o que é o que não é politicamente correto ao se apresentar publicamente”.

 

Costa Pinto acredita que uma parte do voto declarado em Marina Silva venha de eleitores que gostariam de ter uma opção mais próxima do que se chama de “politicamente correto”. Mas muitos “são pessoas que ainda não têm muita certeza sobre votar mesmo na candidata da Rede. Essa pode ser uma explicação para ela não ter 1 voto tão firme”.

 

CENÁRIOS DE 2º TURNO

O DataPoder360 testou 4 cenários de possíveis embates de 2º turno. Em todos Jair Bolsonaro vence com vantagem de 10 pontos percentuais ou mais contra seus adversários.

 

O “não voto” é alto nas 4 simulações. Brancos, nulos e pessoas que não sabem ou não respondem somam de 41% a 48%, conforme a combinação de candidatos.

O percentual de “não voto” é maior (48%) no confronto de Bolsonaro com Alckmin. Uma indicação das dificuldades do tucano para atrair indecisos.

 

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

 

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

 

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

O DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

 

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

 

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

 

Só ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas são consideradas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

 

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

 

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

 

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

 

Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outros se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

 

Para ler mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas, leia este texto detalhado.

 

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

 

O DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

 

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

 

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 25 a 31 de maio de 2018. Foram entrevistadas 10.500 pessoas com 16 anos ou mais em 349 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro deste estudo é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos.

 

O registro desta pesquisa no TSE é BR-09186/2018.

 

 

Créditos: DataPoder360

 

Sobre Paraíba em Minuto

Veja Também

Após dois votos contra liberdade de Lula, julgamento na 2ª Turma do STF é adiado

Antes do pedido de Gilmar Mendes, Edson Fachin (relator) e Cármen Lúcia tinham votado contra ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.