Home / NOTÍCIAS / PT desiste de ação no STF contra Cunha após relatoria cair com Gilmar

PT desiste de ação no STF contra Cunha após relatoria cair com Gilmar

88029REIPO-1103313-kLiG-U102156230792ST-1024x683@GP-WebO texto encaminhado pelo partido alega que Eduardo Cunha cometeu desvio de finalidade e agiu em retaliação ao PT.IMPEACHMENT

Deputados do PT apresentaram ao STF (Supremo Tribunal Federal) uma ação para anular a decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de aceitar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas desistiram depois que ministro Gilmar Mendes -que não foi indicado por um presidente petista- foi sorteado para relatar o recurso.

O texto encaminhado pelo partido alega que o peemedebista cometeu desvio de finalidade e agiu em retaliação ao PT.

Esse era o terceiro processo que chegou ao Supremo para invalidar o ato de Cunha e seria analisado por Mendes, que tem feito duras críticas ao governo petista diante do esquema de corrupção da Petrobras.

A ação foi proposta pelos deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Paulo Pimenta (PT-RS) eWadih Damous (PT-RJ), e sustenta que o presidente da Câmara fere os princípios constitucionais da legalidade, moralidade e impessoalidade.

Os petistas dizem que Cunha incorreu em desvio de finalidade, praticando ato inerente a sua função pública para promover finalidades ilícitas. Segundo os deputados, Cunha uso a abertura do pedido de afastamento para chantagear o governo e tentar escapar com votos petistas do processo de cassação em análise do Conselho de Ética da Casa, que apura quebra de decoro parlamentar por causa de questões ligadas a sua investigação na Lava Jato.

“O presidente da Câmara de Deputados recebeu denúncia de impeachment contra a presidente da República com o propósito de retaliar o partido a que pertence a mandatária, cujos deputados manifestaram sua intenção de votar a favor da instauração de processo ético, em que se apuram desvios e quebra de decoro por ele praticados”, diz a ação.

“É inadmissível que o presidente da Câmara se utilize da gravíssima competência de admitir a instauração de processo de impeachment como instrumento para impedir a apuração de seus desvios éticos, chantagear adversários ou promover vingança política”, completou.

De acordo com a ação, Cunha age para “tentar jogar luzes sobre o impeachment para obscurecer o processo contra si no Conselho de Ética”.

Os deputados alegam ainda que a simples deflagração do processo de impeachment da presidente da República é capaz de “convulsionar ainda mais a situação política do país, acarretando reflexos diretos sobre a economia”.

“A deflagração de processo de impeachment submete o mercado e a sociedade brasileiros a situação de extrema insegurança, o que se reflete diretamente como falta de disposição para realizar investimentos e assumir riscos, levando a crescente estagnação econômica.”

Veja Também

Lira cobra do Senado solução para baixar gasolina e diz que governadores miram eleição

Após decisão dos estados e do DF de suspender congelamento do ICMS, presidente da Câmara ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.