Home / BRASIL / Sede da Copa, Natal entra em estado de calamidade após deslizamentos

Sede da Copa, Natal entra em estado de calamidade após deslizamentos

Decreto assinado pelo prefeito Carlos Eduardo foi publicado nesta segunda.
Documento autoriza a desapropriação de imóveis em áreas de risco.

Chuva abre cratera e casas correm risco de desmoronamento no bairro de Mãe Luíza, na Zona Leste de Natal (Foto: Everaldo Costa/Inter TV Cabugi)
Chuva abre cratera e casas correm risco de desmoronamento no bairro de Mãe Luíza, na Zona Leste de Natal (Foto: Everaldo Costa/Inter TV Cabugi)

A Prefeitura de Natal decretou estado de calamidade pública por 180 dias devido aos deslizamentos de terra e transbordamentos de lagoas de captação registrados no sábado (14) e no domingo (15). O documento, assinado pelo prefeito Carlos Eduardo, foi publicado na edição desta segunda-feira (16) do “Diário Oficial do Município” (DOM). Natal é uma das sedes da Copa do Mundo. Nesta segunda-feira (16), a cidade recebe a partida entre Gana e Estados Unidos, pelo grupo G do Mundial. Mesmo após mais de 50 horas de chuvas, que começaram na manhã de sexta-feira (13) e deram uma trégua no domingo, o jogo está confirmado. A Polícia Militar orienta que os turistas que estejam na Via Costeira sigam para a Arena das Dunas usando a Avenida Engenheiro Roberto Freire.

O decreto diz que, no fim de semana, choveu 333 mm em Natal. Várias ruas sofreram erosões, e há pessoas desabrigadas e desalojadas. A prefeitura e a Defesa Civil ainda não sabem precisar o número exato de moradores atingidos pelo desastre.

De acordo com o decreto, a Prefeitura de Natal está autorizada a “penetrar nas casas para prestar socorro ou para determinar a pronta evacuação”. O documento frisa ainda que a administração municipal pode iniciar “processos de desapropriação, por utilidade pública, de propriedades particulares comprovadamente localizadas em áreas de risco intensificado de desastre”. No processo de desapropriação, deverão ser consideradas a depreciação e a desvalorização que ocorrem em imóveis localizados em áreas inseguras.

A prefeitura ressalta que, “sempre que possível, essas propriedades em áreas de risco serão trocadas por outras situadas em áreas seguras, e o processo de desmontagem e de reconstrução das edificações, em locais seguros, será apoiado pela comunidade”.

Motivos
O temporal provocou o “deslizamento de encosta, comprometendo entre 20 a 40 residências na Rua Guanabara, no bairro de Mãe Luíza, afetando ainda outros imóveis, inclusive prédios residenciais localizados na Avenida Silvio Pedrosa e a faixa da praia de Areia Preta”.

Barranco desabou na tarde deste sábado na comunidade do Jacó, em Natal (Foto: Luis Beserra/Inter TV Cabugi)
Barranco desmoronou no sábado (14) na comunidade do Jacó, em Natal (Foto: Luis Beserra/Inter TV Cabugi)

Na mesma data, ocorreu o comprometimento do muro de contenção da encosta na comunidade do Jacó, no bairro das Rocas, provocando risco de deslizamentos e desabamentos e comprometendo cerca de 50 residências.

O decreto cita que “as chuvas agravaram a situação erosiva existente na Rua São Bráulio e iniciou novo processo erosivo no final da Avenida dos Caiapós, na divisa dos bairros do Planalto e Pitimbu, ambos apresentando voçorocas, carregando material para o leito do Rio Pitimbu e culminando no assoreamento do rio, dentre outros impactos ambientais”. (O vídeo ao lado mostra imagens aéreas da região do deslizamento).

Houve ainda transbordamento das 10 lagoas de captação de Natal: Pirangi, Jiqui, Cidade Jardim, Preá, Potiguares, conjunto Iprevinat, São Conrado, Horto, Cidade da Esperança e Nova Cidade. As chuvas intensas provocaram fissuras e rachaduras no canal do Passo da Pátria e no canal do Baldo, na Zona Leste da cidade.

Trégua
No final da manhã de domingo, as chuvas que começaram a cair em Natal na sexta-feira deram uma trégua. De acordo com a Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn), em 48 horas choveu mais de 330 mm na capital potiguar. A média histórica de chuvas no mês de junho, segundo a Emparn, é de 284 mm. “Choveu nesses dois dias o equivalente à média histórica de todo o mês de junho”, afirmou o meteorologista Gilmar Bristot.

Chuva abre cratera e casas correm risco de desmoronamento no bairro de Mãe Luíza, na Zona Leste de Natal (Foto: Everaldo Costa/Inter TV Cabugi)
Chuva abre cratera e casas correm risco de desmoronamento no bairro de Mãe Luíza, na Zona Leste de Natal (Foto: Everaldo Costa/Inter TV Cabugi)

Sobre Hudson Almeida

Veja Também

‘Quando ele me colocou no corredor, achei que fosse morrer’, diz 15ª mulher a acusar João de Deus de abuso sexual

João de Deus durante atendimento em Abadiânia Foto: Daniel Marenco/06.07.2018 As denúncias contra João Teixeira ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.